Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que os médicos disseram ao vê-lo

O corpo perfeitamente preservado de Santa Bernardette Soubirous é um dos casos médicos mais incomuns já estudados. Aqui estão trechos dos relatos das três exumações do corpo da santa

 

Desde 3 de agosto de 1925, o corpo intacto de Santa Bernadette Soubirous é exposto em um relicário de vidro na capela do mosteiro de Saint-Gilard, na cidade francesa de Nevers. A cidade está localizada na Borgonha, a 260 km de Paris.

Este é o conteúdo da inscrição na capela ao lado do corpo da santa: “o corpo de Santa Bernardette está nesta capela desde 3 de agosto de 1925”.

Ele está intacto e “como se estivesse petrificado”, como disseram os médicos forenses, bem como as autoridades seculares e eclesiásticas por ocasião das exumações de 1909, 1919 e 1925.

O rosto e as mãos, que ficaram obscurecidos pela exposição ao ar, foram cobertos com uma fina camada de cera. O corpo está inclinado para o lado esquerdo, posição em que permaneceu no túmulo.

Vejamos o que os médicos responsáveis ​​por examinar o corpo da santa disseram durante as mencionadas exumações.

Primeira exumação

 

Em 22 de setembro de 1909, trinta anos após o funeral, o corpo de Santa Bernardette foi exumado pela primeira vez: o corpo incorrupto apareceu, sem sinais de decomposição. Os médicos Ch. David e A. Jourdan, que realizaram a primeira exumação, escreveram em seu relatório:

 

O caixão foi aberto na presença do bispo, do prefeito de Nevers, seus representantes e muitos outros clérigos. Não percebemos nenhum cheiro.

O corpo vestia o hábito do convento ao qual Bernadette pertencia. O hábito estava úmido. Apenas o rosto, mãos e antebraços estavam expostos.

A cabeça estava virada para a esquerda. O rosto estava murcho e branco. A pele estava presa aos músculos e os músculos presos aos ossos.

As pálpebras cobriam as órbitas oculares. O nariz estava esticado e enrugado. Os lábios estavam ligeiramente separados, de modo que você podia ver os dentes que permaneceram em sua posição natural.

Os braços, cruzados sobre o peito, estavam perfeitamente preservados, assim como as unhas. As mãos seguravam um rosário. Você podia ver as veias no antebraço.

Os pés estavam enrugados e as unhas intactas. Quando o hábito foi retirado e o véu da cabeça foi levantado, um corpo firme e uma pele esticada puderam ser observados. Seu cabelo era cortado muito curto e estava firmemente preso à cabeça. As orelhas estavam perfeitamente preservadas […]

O estômago estava rígido, assim como o resto do corpo. Quando foi tocado, fez um som semelhante a um papelão. O joelho direito era mais largo que o esquerdo. As costelas e os músculos eram visíveis sob a pele. O corpo era tão rígido que podia ser virado de um lado para o outro.

Certificamos que redigimos corretamente este relatório, o que é totalmente verdade. Nevers, 22 de setembro de 1909, médicos: Ch. David, A. Jourdan.

Segunda exumação

Em 1919, dez anos após a primeira exumação, a segunda exumação do corpo de Saint Bernardette, dirigida desta vez pelo Dr. Talon e Dr. Comte, na presença do bispo da cidade de Nevers e do delegado da polícia, bem como de representantes da prefeitura e da Igreja.

A situação era idêntica à da primeira exumação. Aqui estão alguns trechos do relatório final do Dr. Comte sobre a segunda inspeção:

Após o exame, acho que o corpo da Venerável Bernadette permanece intacto, esqueleto completo, músculos enfraquecidos, mas bem preservados; somente a pele estava enrugada devido à umidade do caixão. […]

O corpo não mostrava sinais de podridão ou decadência, o que seria esperado naturalmente quarenta anos após o funeral.

Nevers, 3 de abril de 1919, Dr. Comte.

Terceira exumação

Em 18 de novembro de 1923, o Papa Pio XI assinou um decreto reconhecendo as virtudes heróicas de Bernadette. Após a beatificação da santa, ocorreu a terceira exumação, realizada em 12 de junho de 1925. Seu objetivo era obter uma “relíquia” do corpo. A canonização ocorreu oito anos depois, em 1933.

Os detalhes da última exumação foram incluídos no relatório do Dr. Comte, cujas fórmulas legais às vezes confundem os leigos que não estão acostumados a essa linguagem especializada. Este documento, no entanto, permite avaliar com precisão até que ponto o corpo da vidente de Lourdes permaneceu livre de decomposição.

Eu queria abrir a caixa torácica no lado esquerdo para extrair algumas costelas e depois o coração, porque estava convencido de que estaria intacto. No entanto, como o tronco se inclinava levemente sobre o braço esquerdo, teria dificuldades em acessar o coração.

Como a madre superior expressou o desejo de não tirar o coração de Santa Bernardette, o que também era o desejo do bispo, mudei de intenção e, em vez de abrir o lado esquerdo da caixa torácica, peguei apenas duas costelas do lado direito, ao qual ele tinha acesso mais fácil.

Durante esta exumação, fiquei impressionado com a excelente condição em que se conservavam o esqueleto, os tecidos fibrosos, os músculos flexíveis e fortes, os tendões e a pele, quarenta e seis anos após a morte.

Depois de certo tempo, cada corpo se decompõe, apodrece e calcifica. No entanto, quando eu estava cortando o corpo, percebi que ele tinha uma consistência quase normal e suave.

Neste ponto, eu disse a todos os presentes que não via esse fenômeno como natural.

Relicário de vidro

Naquela época, foi feito um relicário de vidro no qual repousa o corpo de Santa Bernadette. As freiras cobriram o rosto e as mãos da santa com uma fina camada de cera. Atualmente, o relicário está localizado em uma bonita capela fora das instalações do convento, para que possa ser acessado pelos visitantes.

O corpo lindamente preservado de Santa Bernardette incentiva os visitantes a imitar sua vida e a levar a sério a mensagem da Imaculada Conceição transmitida pela vidente.

Filme: o corpo perfeitamente preservado de Santa Bernadette:

 

Fonte: Aleteia
Comentário do facebook